Street wear – 3º parte

23 jul

A música

A música pop e suas estrelas nos anos 50 e 60 começou a influenciar muito no modo de vestir no jovens da época. Os casacos, as gravatas estreitas, os sapatos de camurça, os penteados com popa para os homens e os petticoats e rabos de cavalos para as mulheres se tornaram populares. Nos anos 60 as tendências começaram a diversificar-se. Os Beatlles, usaram ternos de couro, os The Who também usaram ternos completos mas também usavam calça Jeans e t-shirt. Os jovens fãs copiaram rapidamente. Os jovens politicamente ativos, vestiam-se como seus ídolos, influenciados pela música folk americana como a de Bob Dylan. Todos esses músicos tocaram no festival de Woodstock.

“Swinging London”

Nos anos 60 a moda britânica começa a se impor à moda francesa, tornando-se vanguarda internacional, estilistas como Mary Quant, Bárbara Hulanick, e muitos outros ditaram as tendências. Quem quisesse ser moderno olhava para o que se passava na Swinging London. Mary Quant Foi a inventora da minissaia, junto com Courréges. Ela se inspirava nas tendências das ruas, de acordo com o modo de vida da juventude. Em 1963, Mary Quant alcança o êxito, depois de alguns dos seus vestidos curtos e direitos terem sido apresentados na Vogue. Ela captava facilmente os sinais do seu tempo. Não fazia diferenças entre o vestuário do dia e da noite e rejeitava a idéia de apresentar duas coleções anuais. Suas idéias logo se propagaram por toda Europa: gabardinas em PVC, shorts para os jovens, e grandes malas para usar a tiracolo. Mulheres de todas as idades usavam saias cada vez mais curtas, que mal tapavam os glúteos. A invenção dos collants sem costura, contribuía muito para o sucesso desta minimoda extrema. Eram lançados no mercado collants de todas as cores e padrões possíveis e imaginários, tornando-se um elemento decisivo do vestir da moda.

Mary Quant e modelos

Mary Quant e modelos

Dress for sucess

Na década de 80 o mundo da moda despediu-se da idéia de que moda significava um só estilo, uma só tendência. Impõe-se portanto, a diversidade de estilos, e originalidade artística está em saber utilizar as citações e relaciona-las umas com as outras.

Madonna é um exemplo da forma como os diversos elementos podem ser conjugados. Sua originalidade deve-se a uma combinação minuciosa de música movimento e vestuário sensual, tanto no palco como nos videoclipes. A mulher ideal dos anos 80 era esguia, musculosa e ambiciosa, com êxito em nível profissional e pessoal. E foi sobretudo essa ambição, que se manifesta em muitos domínios e também na moda que tornou Madonna num ícone dos anos 80.

Madonna 80´s

Madonna 80´s

Fim do Século

Os anos 90, continuaram a seguir as tendências inauguradas na década de 80, não criaram nada novo, mas produziram várias variações de silhuetas e estilos já conhecidos. Na moda juvenil observou-se um revivalismo da moda dos anos 60. As regras de etiqueta são menos rigorosas do que no séculos passados, sendo possível usar uma legging para ir ao teatro. Porque o que conta é agir da maneira que seja mais confortável. Uma moda democrática que permite combinar os mais diferentes tipos de design.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: